15-9 MA Miocénico. Formação das rochas que constituem a Arriba Fóssil (sedimentos e fósseis de organismos marinhos)
5-1,7 MA Pliocénico. Camada superior da Arriba Fóssil (areias e cascalheiras de cor avermelhada)
9-6 mil

a.C.

Epipaleolítico. Vestígios de ocupação humana na Ponta do Cabedelo (milhares de calhaus talhados, lascas em quartezito)
3-2,2 mil a.C. Calcolítico. Vestígios de ocupação humana no miradouro dos Capuchos (acampamento de ar livre. Espólio: artefactos em silex, machado de pedra polida, cerâmica lisa e decorada, queijeiras, mós em arenito, cadinhos de fundição e escória de cobre)
1185 -1211 Reinado de D. Sancho I. Referências à exploração de ouro na mina da Adiça
1472 Criação da Freguesia de Caparica pelo Papa Sisto IV
1557-78 Reinado de D. Sebastião, que lidava toiros e fazia exercícios de cavalaria na praia
1640 Restauração. São tomadas medidas para impedir desembarques castelhanos na praia da Costa
1521-57 Reinado de D. João III. O ouro da Adiça deixa de ser explorado (?)
1558 Fundação do convento dos Capuchos
1755 Maremoto provoca cinco vítimas na praia da Costa
1771 Documento refere os malteses que frequentam a Costa na Primavera e Outono.

Vendem o peixe em Lisboa sem pagar os impostos devidos ao estado e a Almada

1780 Data no cemitério da Costa
1824 D. João VI visita a Casa da Corôa e confere aos mestres de redes (ou só ao seu anfitrião?) uma renda diária de 800 reis
1829 Documento dá conta de um surto de paludismo na Costa e refere-se aos malfeitores que aí são albergados
1840 Fogo do “quinquilheira” destrói 98 barracas, substituídas pelo governo
1864 Fogo da “Rosa do Ché-Ché” destrói 60 barracas, substitídas pelo concelho
1870 O “convento” (edifício atrás da Igreja) é fundado pelo padre Huggs
1879 Data do poço da vila, feito à custa do “quinhão das companhas”
1880 A Igreja da Costa é reedificada por João Inácio da Costa, emigrante no Brasil
1883 Início da florestação da duna entre a Trafaria e a Costa e da drenagem artificial
1884 Fogo do Costa Pinto. Deputado Jaime Costa Pinto promove a construção de bairro de alvenaria
1897 Vieira Júnior descreve a paisagem que vê dos Capuchos: barracas de colmo, junco, Igreja e cemitério
1925 A Costa é classificada como estância turística
1926 Criação da freguesia da Trafaria, que abrange a Costa
1929 Naufrágio do “Pensativo”; O Padre Baltazar é Pároco da Caparica
1930 Agro Ferreira pertence à comissão que promove o turismo na Costa. Construção do Hotel Praia do Sol
1931 J. Leite de Vasconcellos descreve a Costa: há barracas de banhos
1936 Início da Florestação a Sul da Costa
1937 Fundação da Junta Central da Casa dos Pescadores
1939 Inauguração da colónia de Férias “Um lugar ao Sol”, da FNAT
1944 A CMA inicia a venda de lotes em hasta pública na Costa de Caparica ao abrigo do Dec. Lei de alienação dos baldios
1949 Criação da Freguesia da Costa, desanexada à Trafaria
1950 Edição do nº 1 do Jornal Praia do Sol
1950 Câmara de Almada adquire o convento dos Capuchos
1960 Inauguração do Transpraia
1975 Primeira Assembleia Popular do país reúne na Costa
1986 A Costa de Caparica é elevada à categoria de Vila
2004 A Costa de Caparica é elevada à categoria de Cidade
2006/7 Arranque das obras promovidas pelo Polis da Costa